segunda-feira, 5 de maio de 2014

JORGE EDUARDO GARCIA - IN FOCUS: 5 DE MAIO - MORRE NAPOLEÃO I EM SANTA HELENA. JORG...

JORGE EDUARDO GARCIA - IN FOCUS: 5 DE MAIO - MORRE NAPOLEÃO I EM SANTA HELENA. JORG...:  Napoleão Bonaparte Ilha de Santa Helena, (Saint Helena em inglês) é o principal componente do território britânico ultramarino de Sa...

5 DE MAIO - MORRE NAPOLEÃO I EM SANTA HELENA. JORGE EDUARDO GARCIA

 NapoleãoI
Imperador dos Franceses,
Rei de Itália,
Protetor da Confederação do Reno,
Co-príncipe de Andorra,

Casa de Bonaparte.

Ilha de Santa Helena, (Saint Helena em inglês) é o principal componente do território britânico ultramarino de Santa Helena, Ascensão e Tristão da Cunha, localizado praticamente a meio do Atlântico Sul, mas geralmente englobada nos territórios africanos por se encontrar mais perto de África do que da América do Sul. Não possui nenhuma praia, sendo o seu litoral completamente rochoso. Também por este motivo a ilha era utilizada como prisão. Não há uma saída fácil do interior da ilha, que não seja através da capital Jamestown.
A ilha de Santa Helena foi descoberta em 1501 pelo navegador galego João da Nova, que na ocasião estava a serviço de Portugal.
João da Nova dirigia-se à Índia, tendo nessa viagem também descoberto a ilha de Ascensão.
O primeiro habitante permanente da ilha foi o soldado português Fernão Lopes, que permaneceu isolado em Santa Helena de 1515 a 1545, exceto durante uma breve visita que ele fez à Europa, após 10 anos de isolamento na ilha.
Portugal nunca colonizou Santa Helena, sendo que a ilha veio a ser ocupada pela marinha britânica no século XIX.
O nome de Santa Helena foi dado em homenagem a Helena de Constantinopla, Santa Helena para os católicos romanos, e mãe do Imperador Romano Constantino, o Grande.
Depois da derrota de Batalha de Waterloo , 18 de Junho de 1815, o General Napoleão Bonaparte, Imperador do s Franceses, irremediavelmente vencido exigiu formalmente asilo dos britânicos ao Capitão Frederick Maitland , do HMS  Belerofonte,  em 15 de Julho 1815.
Os ingleses o  exilaram  para a Ilha de Santa Helena.

Napoleão na Batalha de Waterloo

Napoleão foi residir em  Longwood  House,  em dezembro 1815; uma casa reformada precariamente e em uma localização úmida e varrida dia e noite pelos ventos fortes do Atlântico Sul.
The Times publicou artigos insinuando que o governo britânico estava tentando apressar a sua morte, e muitas vezes ele se queixou das condições de vida em cartas para o governador , o seu terrível e vingativo carcereiro  Hudson Lowe.
Tratamento da Lowe de Napoleão é considerado desumano pelos historiadores como Frank McLynn.
Com um pequeno grupo de seguidores, Napoleão ditou suas memórias e criticou seus captores-particularmente Lowe.
Seu médico pessoal, Barry O'Meara , alertou as autoridades do seu estado de declínio da saúde causado principalmente, segundo ele, pelo tratamento duro do cativo nas mãos de seu "carcereiro", Lowe, que levou Napoleão a limitar-se a meses na sua habitação úmido e miserável de Longwood .
O'Meara manteve uma correspondência clandestina com um funcionário do Almirantado em Londres, sabendo suas cartas foram lidos por autoridades superiores: ele esperava, de tal maneira, para levantar o alarme no governo, mas sem sucesso.
Em fevereiro de 1821, a saúde de Napoleão começou a deteriorar-se rapidamente, e em 3 de Maio de dois médicos britânicos, que haviam chegado recentemente, participou com ele, mas só poderia recomendar paliativos.
 Ele morreu dois dias – 5 de maio-  depois, após a confissão, extrema-unção e viático na a presença de Padre Ange Vignali.
 Suas últimas palavras foram: "França, armée, tête d'armée, Joséphine". ("França, exército, chefe do exército, Joséphine").
Em seu testamento, ele pediu para ser enterrado nas margens do Sena , mas o governador britânico disse que deve ser enterrado em Santa Helena, no Vale dos Salgueiros.
Hudson Lowe insistiu a inscrição deve ler "Napoleão Bonaparte"; Montholon e Bertrand queria o título imperial "Napoleão" como realeza foram assinados apenas por seus primeiros nomes. Como resultado, o túmulo foi deixado sem nome.
Em 1840, Louis Philippe I obteve permissão dos britânicos para voltar restos de Napoleão para a França.
Os restos mortais foram transportados a bordo da fragata Belle-Poule , que tinha sido pintado de preto para a ocasião, e em 29 de novembro, ela chegou em Cherbourg .
Os restos mortais foram transferidos para o navio a vapor Normandie , que os transportou para Le Havre , o Sena para Rouen e para Paris.
Essa operação de trasladação dos retos de Napoleão foi comandada pelo Príncipe de Joinville, François-Ferdinand-Philippe-Louis-Marie d'Orléans, Almirante de França, filho do Rei dos Franceses, Luís Filipe e da Rainha Marie Amalie ( nascida Princesa  de Bourbon-Sicílias) e marido de  Dona Francisca Carolina Joana Leopoldina Romana Xavier de Paula Micaela Rafaela Gabriela Gonzaga de Bragança, quarta filha do Imperador do Brasil D. Pedro I e da Imperatriz D. Maria Leopoldina,  irmã de Dom Pedro II ( casaram em 1 de maio de 1843 no Rio de Janeiro).
No fim da viagem em  15 de dezembro, um funeral de Estado foi realizado.
O carro fúnebre passou entre o Arco do Triunfo até a Champs-Élysées , em frente à Place de la Concorde ao Esplanade des Invalides e depois para a cúpula na capela de São Jerônimo, onde permaneceu até o túmulo desenhado por Louis Visconti foi concluída.
Em 1861, os restos mortais de Napoleão foram sepultados em um pórfiro sarcófago na cripta sob a cúpula de Les Invalide.
Médico de Napoleão, François Carlo Antommarchi , liderou a autópsia, que constatou a causa da morte para ser o câncer de estômago . Antommarchi não, no entanto, assinar o relatório oficial.
O pai de Napoleão morreu de câncer de estômago, embora esta era aparentemente desconhecido no momento da autópsia.
 Antommarchi encontraram evidências de uma úlcera de estômago; esta foi a explicação mais conveniente para o britânico, que queria evitar críticas sobre seus cuidados de Napoleão.
Em 1955, os diários de valet de Napoleão, Louis Marchand, foram publicados.
Sua descrição de Napoleão nos meses antes de sua morte levou Sten Forshufvud em um artigo de 1961, em Nature apresentar outras causas para sua morte, incluindo deliberada envenenamento por arsênico .
O arsênico era usado como veneno durante a época porque era indetectável quando administrado durante um longo período. Forshufvud, em um livro de 1978 com Ben Weider , observou que o corpo de Napoleão foi encontrado para ser muito bem preservada, quando mudou-se em 1840. arsênico é um conservante forte, e, portanto, este apoiou a hipótese de envenenamento.
 Forshufvud e Weider observou que Napoleão tinha tentado matar a sede anormal por beber grandes quantidades de xarope orgeat que continham compostos de cianeto nas amêndoas usados ​​para dar sabor.
Alegaram que o tartarato de potássio utilizado em seu tratamento impediu o estômago de expulsar estes compostos e que sua sede era um sintoma do veneno.
Sua hipótese era que o calomelano dada a Napoleão tornou-se uma overdose, que o matou e deixou extensa tecido danos trás.
De acordo com um artigo de 2007, o tipo de arsênico encontrados em fios de cabelo de Napoleão era mineral, o mais tóxico, e de acordo a toxicologista Patrick Kintz, este apoiou a conclusão de que ele foi assassinado.
Eu penso que ele foi assinado, mas isso é outra Historia.
O maior feito de Napoleão I foi o  Code Napoléon -  Code civil des Français, e parte dele foi traduzido por meu trisavô, Dr. Vicente Pereira do Rego, LENTE DA 3.a CADEIRA DO 5.º ANNO DA FACULDADE DE DIREITO DO RECIFE, E ADVOGADO NOS AUDITORIOS DA MESMA CIDADE, para organizar ELEMENTOS DE DIREITO ADMINISTRATIVO BRASILEIRO, PARA USO DAS
FACULDADES DE DIREITO DO IMPÉRIO, com autorização de Sua Majestade Imperial, o Imperador do Brasil.
Seu exemplar do Code Napoléon, que herdei, via meu tio e padrinho, advogado Carmello Barreto de Almeida, foi doado para o Real Gabinete Português de Leitura, tradicional biblioteca e instituição cultural lusófona, localiza-se na Rua Luís de Camões nº 30, no centro da cidade do Rio de Jan eiró, onde pode ser consultado.
Napoleão I vez a guerra, Napoleão III fez uma nova Paris.
Viva os Bonapartes.
Napoleão em Santa Helena.

JORGE EDUARDO GARCIA - IN FOCUS: FALÊNCIA DO ESTADO ITALIANO.

JORGE EDUARDO GARCIA - IN FOCUS: FALÊNCIA DO ESTADO ITALIANO.: FALÊNCIA DO ESTADO ITALIANO: “um capo é quem deu ordem para que se disputasse o clássico”. Em sua coluna no Caderno Esportes do Jor...

FALÊNCIA DO ESTADO ITALIANO.

FALÊNCIA DO ESTADO ITALIANO:
“um capo é quem deu ordem para que se disputasse o clássico”.


Em sua coluna no Caderno Esportes do Jornal o Estado de S. Paulo, domingo 4 de maio,  Antero Greco, um grande comentarista de futebol,  escreveu:
“Quem manda. A decisão da Copa Itália, entre Napoli e Fiorentina, por pouco não foi suspensa. Brigas de torcedores levaram pânico às ruas de Roma e apreensão ao Estádio Olímpico. O jogo saiu porque o chefe dos “Ultras” (organizada) do Napoli garantiu que controlaria seus seguidores. Ou seja, um capo é quem deu ordem para que se disputasse o clássico, afinal vencido pelo Napoli por 3 a 1. Fim da picada!”
O que ele não falou, não escreveu, não revelou, não disse,  é que este fato revela a total FALÊNCIA do Estado Italiano, da Republica Italiana, da nossa querida e Bela Itália.
A culpa dessa falência da Republica Italiana é do atual Presidente Giorgio Napolitano, um senhor caquético, mau intencionado, de 87 anos de idade.
Napolitano é um homem com um único objetivo:
Tornar a Itália uma Republica Soviética e nunca escondeu isso.
Deputado pela primeira vez em 1953 pelo Partido Comunista Italiano na circunscrição de Nápoles, onde foi reeleito por sucessivos mandatos.
Garantiu a “boquinha” ao ser em 23 de setembro de 2005 foi nomeado  senador vitalício pelo presidente italiano Carlo Azeglio Ciampi.
Em 10 de maio de 2006 foi eleito Presidente da República Italiana no quarto escrutínio com 543 votos dos 505 necessários. Foi apoiada sobretudo pelos parlamentares da coalizão L'Unione (A União), vencedora da eleições legislativas. É o primeiro presidente ex-comunista da Itália.
Em 20 de abril de 2013 foi reeleito, aos 87 anos, para mais um período de sete anos como presidente, com o apoio de todos os partidos, exceto o Movimento 5 Estrelas.
Napolitano conseguiu desestabilizar 3 primeiros-ministros com sua postura arrogante, intervenção indevida, inconstitucional,  a saber:
Romano Prodi (2006–2008) – ex-aliado;
Silvio Berlusconi (2008–2011)- um inimigo figadal por ser teoricamente de direita;
Enrico Letta (2013-2014) – um politico serio de esquerda, mas que não contava com sua simpatia.
Eu escrevi para os jornais italianos, tanto de esquerda quanto de direita, e para o Partido Democrático (o maior da esquerda) acusando o Golpe de Estado que Napolitano havia dado no caso de Silvio Berlusconi (não que este merecesse alguma defesa, mas sim pela inconstitucionalidade do feito) e travei com um jornalista  e com um representante do PD uma intensa discussão sobre o caso.
O Golpe de Estado  começou com  a crise , ate então artificial, criada por  Napolitano que foi  pessoalmente para TV ,para jornais, para rádios, para as cidades italianas,  para Comunidade Europeia, com um discurso feroz  contra  Berlusconi e manifestando sua vontade de vê-lo fora do cargo de Primeiro-ministro.
Não sou partidário de Silvio Berlusconi, muito pelo contrario, mas a forma com que  Napolitano  agiu contra ele foi jogo sujo, desonesto, canalha.
Na Italia o Primeiro-ministro tem que ser um parlamentar eleito pelo povo ou um senador vitalício, portanto membro eterno do Parlamento Italiano e nomeado pelo Presidente da Republica.
No bojo da crise Napolitano nomeou o tecnocrata  Mario Monti , seu apaniguado, senador vitalício para poder fazê-lo Premier, numa clara manifestação de autoritarismo  criptocomunista.
Um comunista nomeando um tecnocrata sem cheiro e sem cor politica, totalmente desvinculado da vontade popular.  
Um prova que não existe esta historia de ex-comunista , o sujeito opta pelo comunismo e se torna  comunista para a  vida toda e o resto é cavilação, mentira, engodo, canalhice.
O Governo  Mario Monti , 71 anos, governou de 6 de novembro de 2011 a 28 de abril de 2013,
implantou O CAOS e jogou a Itália no buraco sem fim...  
Neste CAOS  Enrico Letta , 47 anos, do Partido Democrático, um homem de bem, ex- ministro das Políticas Comunitárias do Governo D'Alema ( Massimo D’Alema, o mais brilhante politico italiano de centro-esquerda), foi escolhido Primeiro-ministro “em 29 de abril, obtendo  a confiança da Câmara dos Deputados, com 453 votos a favor, 153 contra,  17 abstenções e no Senado 233 a favor , 59 contra , 18 abstenções”.
Seu governo é o primeiro executivo de grande coalizão na história da República o que desagrada a Giorgio Napolitano, já que o centro e as forças de direita estão nele – o governo – representando e passa a trabalhar contra o Primeiro-ministro em função e insuflando o  jovem Matteo Renzi, 39 anos, Prefeito de Florença e secretario do PD ( partido de Letta)  a se tornar presidente de seu partido e desbancar Letta.
Fato que acontece:
“Em 13 de fevereiro de 2014 a Direção Nacional do Partido Democrata , por iniciativa de  Matteo Renzi ,  convida Letta  a se demitir para abrir caminho para um novo governo liderado pelo mesmo Renzi.  No dia seguinte, Letta renuncia ao Chefe de Estado”.
Matteo Renzi, 39 anos, é um jovem ambicioso, ex- escoteiro, cuja experiência administrativa é relativa, 10 anos na Província e Prefeitura de Florença, sem nenhuma no campo nacional, nem tão pouco no internacional,  foi convidado pelo nefasto Napolitano para ser Primeiro-ministro.
Em 24 de fevereiro, depois de um longuíssimo discurso estilo mussoliniano no Senado da Republica, e após 11 horas de discussões entre os senadores  recebe numa votação apertada  169 votos a favor, 139 contra.
Na tarde de 25 de Fevereiro, depois de outro discurso extenuante para os ouvintes, de 9 horas de discussões, recebe 378 votos a favor, 220 contra e 1 abstenção (de 598 eleitores) uma outra votação apertada.
Enquanto isso, segundo fontes da imprensa italiana, Giorgio Napolitano no Palazzo del Quirinale, ex- residência papal e real, atual sede da Presidência da Republica e morada de seu presidente, sorria com o Imbróglio que havia criado.
O Velho Patife não vê, não se apercebe, do Caos que ele criou na Bela Italia, a falência que ele provocou no Estado Italiano e a prova dessa verdade  esta ai...
“O jogo saiu porque o chefe dos “Ultras” (organizada) do Napoli garantiu que controlaria seus seguidores. Ou seja, um capo é quem deu ordem para que se disputasse o clássico”.

Jorge Eduardo Garcia.

5 de maio de 2014

PRÓLOGO

Sou bem-nascido. Menino,
Fui, como os demais, feliz.
Depois, veio o mau destino
E fez de mim o que quis.

Veio o mau gênio da vida,
Rompeu em meu coração,
Levou tudo de vencida,
Rugiu como um furacão,

Turbou, partiu, abateu
Queimou sem razão nem dó -
Ah, que dor!
Magoado e só,
- Só - meu coração ardeu:

Ardeu em gritos dementes
Na sua paixão sombria...
E dessas horas ardentes
Ficou esta cinza fria.

- Esta pouca cinza fria.

Manuel Bandeira
(1886-1968)