segunda-feira, 13 de junho de 2016

Seleção Brasileira eliminada da Copa America - CBF vai “refletir” sobre futuro da comissão técnica

delicious, delicious news. To the street with the tapir of Ijuí and his accomplice the the Urubu of Erechim !!!


Blog do PVC

CBF vai “refletir” sobre futuro da comissão técnica

O primeiro recado do Rio de Janeiro chegou a Boston minutos depois do apito final e da segunda eliminação da história na primeira fase da Copa América.
Não há ainda definição sobre o futuro de Dunga.
A palavra-chave neste momento é “Refletir.''
Antes do início da competição, a sinalização da CBF já era a de que a Copa América serviria para analisar o trabalho da comissão técnica.
“Precisamos ter calma agora'', disse um dirigente da CBF. Quem vai decidir será o presidente Marco Polo del Nero. E isso deve ocorrer depois do retorno da comissão técnica ao Rio de Janeiro.
Dunga atribuiu a eliminação ao erro da arbitragem.
Não foi pelo erro do juiz. Ou pelo menos não seria se a seleção conseguisse anotar um gol contra o Peru.
O Brasil sai da Copa América com gols marcados apenas contra o Haiti. O Haiti sai da Copa América como o único a marcar no Brasil.
Abaixo o texto original publicado neste blog após o apito final de Brasil 0 x 1 Peru.
Pela segunda vez na história, a seleção brasileira foi eliminada na primeira fase de uma Copa América. Da primeira, em 1987, Dunga era jogador e fazia parte do grupo. Na segunda, com mais um vexame histórico e a derrota para a seleção peruana por 1 x 0, Dunga conduziu um time insípido, inodoro, incolor. Fez água!
Não importa nem o erro do árbitro uruguaio Andrés Cunha, que validou gol de Ruidiaz, marcado com o braço direito. Por minutos, o juiz e o bandeira Nicolas Tarán dialogaram com alguém fora do campo. O recurso de vídeo foi aprovado para a Copa América. Mas se fosse usado corretamente seria impossível não perceber o toque com o braço  do atacante peruano. Na primeira etapa, também houve um pênalti não marcado a favor do Peru. Edison Flores foi derrubado por Renato Augusto.
Mais grave do que o erro do árbitro, apenas o péssimo futebol da seleção brasileira. No primeiro tempo, ainda houve boa troca de passes, mas nenhuma imaginação para invadir a área e finalizar. No segundo tempo,um festival de erros até o cruzamento de Polo para o gol de Ruidiaz.
Dunga assistiu a tudo impassível.  Demorou 64 minutos para fazer uma alteração sem sentido, trocando Gabriel por Hulk. Depois do gol, continuou irredutível na beira do campo sem fazer a segunda alteração.
A eliminação aproxima o fim de mais uma etapa de trabalho da seleção. Mais um recomeço. É difícil imaginar a continuidade do trabalho depois de um vexame tão grande quanto o da segunda pior campanha da história da Copa América. Em 25 jogos sob o comando de Dunga, sem contar o Haiti, foram 44 gols. Menos de 2 gols por partida. Em treze jogos oficiais, o Brasil só venceu o Peru, a Venezuela e o Haiti.
12/junho/2016
BRASIL 0 x 1 PERU – 20h50, 21h50
Local: Gillette Stadium (Foxboro); Juiz: Andrés Cunha (Uruguai); Público: 36.127; Cartão amarelo: Lucas Lima (71’), Renato Augusto (88’)
BRASIL: 1. Alisson (5), 2. Daiel Alves (4,5), 4. Gil (4), 3. Miranda (4) e 6. Filipe Luís (4,5); 18. Renato Augusto (6) e 8. Elias (5); 19. Willian (4,5), 10. Lucas Lima (5) e 22. Coutinho (6); 11. Gabriel (4,5) (21. Hulk 26 do 2º (4)). Técnico: Dunga
PÉRU: 1. Gallese (6,5), 3. Corzo (5,5), 15. Christian Ramos (6), 2. Alberto Rodriguez (5,5) e 6. Trauco (5); 5. Balbín (5,5) (19. Yotún, intervalo) e 16. Vilchez (6); 8. Polo (6,5), 10. Cueva (6,5) e 20. Flores (5,5) (11. Ruidiaz 18 do 2º (6,5)); 9. Guerrero (4,5). Técnico: Ricardo Gareca

Fora com a  Anta de Ijuí 
e com seu comparsa 
o Urubu de Erechim