quarta-feira, 30 de março de 2016

Derrotas fazem Nobre ser criticado de forma inédita durante sua gestão - Blog do Perrone

Presidente do Palmeiras desde 2013, Paulo Nobre nunca enfrentou tantas críticas de conselheiros do clube como agora. Até então, o cartola se diferenciava de seus antecessores Arnaldo Tirone e Luiz Gonzaga Belluzzo por ser pouco atacado por membros do conselho. Porém, os recentes maus resultados da equipe mudaram o status do dirigente.
Chama atenção o fato de grande parte das críticas partir de conselheiros situacionistas. Os descontentes já falam que pode haver uma ruptura com Nobre na próxima eleição afetando o candidato escolhido pelo presidente, que fica no cargo até o final do ano. Os vice-presidentes Mauricio Percivalle Galiotte e Genaro Marino Neto são os mais cotados para se candidatar com o apoio de Nobre.
O fraco desempenho da equipe que sofreu quatro derrotas em 11 jogos do Paulista e duas em quatro partidas da Libertadores é o ponto de partida paras críticas. O baixo rendimento é visto até por aliados do presidente como consequência de uma série de decisões do presidente consideradas equivocadas. A principal delas é manutenção de Alexandre Mattos como executivo de futebol.
Os críticos avaliam que Nobre demorou para demitir Marcelo Olvieira e que quando o fez deveria ter degolado Mattos também. Eles reclamam que o presidente deu demasiado poder para o executivo, sem controlar os gastos dele com contratações e nem a qualidade dos jogadores contratados.
Porém, o que mais incomoda é o fato de Nobre não se incomodar com as seguidas contratações de jogadores ligados ao empresário Eduardo Uram, como Vagner, Roger Carvalho, Erik, Rodrigo, Vitor Hugo e Egídio. O agente também foi o responsável por negociar com o clube o técnico Cuca.
Para montar o contestado time atual, Nobre emprestou mais cerca de R$ 8,9 milhões ao clube em janeiro, alegando que houve um descompasso entre receitas e despesas que seria corrigido nos meses seguintes. Ele já havia emprestado pelo menos R$ 140 milhões ao Palmeiras.
Membros do COF (Conselho de Oreintação e Fiscalização) reclamam dos gastos e não querem mais que o presidente tire dinheiro do bolso para tocar o clube.
O acordo aprovado pelo Conselho Deliberativo para pagar o dirigente com 10% da receita mensal palmeirense começa a ser visto com preocupação. Relatório do Itaú BBA que questiona a fórmula palmeirense de buscar equilíbrio financeiro por meio de empréstimos de seu presidente é usada para ilustrar a situação.
Dinheiro é também o motivo para conselheiros já estarem com o dedo no gatilho, preparados para um novo disparo. O fato de Cuca admitir pedir novas contratações já gerou novas queixas. Se elas se concretizarem, haverá mais barulho, pelo menos internamente, contra Nobre.

http://blogdoperrone.blogosfera.uol.com.br/2016/03/derrotas-fazem-nobre-ser-criticado-de-forma-inedita-durante-sua-gestao/