terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

APURAÇÃO DE SÃO PAULO, RIMA COM CONFUSÃO - AUTOR: JORGE EDUARDO FONTES GARCIA

O Samba de São Paulo precisa de uma reciclagem, pois, É inadmissível os jurados "esquecerem" de dar notas, numa postura de Pilatos, ou seja, lavam as mãos para os destinos de uma Comunidade que se esforçou durante um ano para colocar o carnaval de suas Escolas de Samba no Sambódromo Grande Otelo.
É UMA VERGONHA.
Nota não dada deveria ser ignorada e jamais ser computada a maior nota do quesito, pois é injustiça com o verdadeiro trabalho e esforço das coirmãs.
O regulamento deveria ser revisto, já que essa forma, ou formula, não é benéfica para ninguém e pode causar – como causou – atribulações na hora da apuração.
Outra coisa:
É preciso haver transparência na escolha dos jurados, já que até agora eu não consigo saber que “apito toca” um senhor chamado José Paulo que não deu nota 10 a Harmonia da Mocidade Alegre, uma Escola que deu várias paradinhas e não se perdeu ao voltar a tocar o samba.
Mocidade não deu nenhuma mancada no quesito Harmonia, portanto essa nota foi uma para prejudicar a Mocidade Alegre. É UMA VERGONHA.
Apelar para a ‘subjetividade’ de julgamento é querer tapar o sol com a peneira já que 3 dos 4 jurados de nota 10 nesse quesito a Mocidade Alegre, portanto...
Não quero entrar no julgamento do enredo "O Império dos Mistérios", nem tão pouco do desfile do Grêmio Recreativo Cultural Social Escola de Samba Império de Casa Verde, nem tão pouco do trabalho do consagrado carnavalesco Jorge Freitas, só os parabeniza-los pela vitória apertada, mas vitória da agremiação.
Resumindo:
Que o Carnaval de São Paulo continue sua evolução, que se torne tão grande quanto essa cidade que o abriga, que o vê crescer, e o aceita com amor no coração.

Jorge Eduardo Fontes Garcia


São Paulo 09/02/2016