quinta-feira, 3 de setembro de 2015

“Corinthians é líder porque é melhor. Mas juízes sem juízo atrapalham muito”. Autor: PVC



Eu venho falando que os juízes estão atrapalhando o espetáculo, por isso, vou publicar o que escreveu em seu Blog o cara que na minha opinião mais conhece hoje a História do Futebol Mundial e Nacional, sendo excelente comentarista: PVC

O Corinthians abriu sete pontos, alcançou 49 contra 42 do Atlético. Repete exatamente o que aconteceu nos Campeonatos Brasileiros de 2013 e 2014. O Cruzeiro tinha 46 contra 42 do Botafogo há dois anos e contra os mesmos 42 do São Paulo, há um ano.
Na 22ª rodada, igualzinho ao Corinthians, conseguiu a vantagem sobre o segundo colocado que nenhum líder jamais perdeu.
Lembre-se do São Paulo, que reverteu oito pontos de vantagem do Grêmio, quando estava em quinto lugar, no 22º jogo de 2008. Ou do Flamengo, 11º colocado, com 11 pontos a menos do que o Palmeiras na 22ª rodada de 2009. Virou e foi campeão. Mas o primeiro colocado não tinha sete pontos acima do segundo lugar.
O conforto era menor.
Quando teve toda essa diferença, o líder nunca perdeu a taça.
Claro que há uma diferença entre o Corinthians de hoje e o Cruzeiro de ontem e ela ficou explícita com os gritos da torcida atleticana no Horto, quarta-feira à noite: “Doutor, eu não me engano, o juiz é corintiano” e “Corinthians, Corinthians! ”
O problema dos erros de arbitragem não é desfavorecer o Atlético ou favorecer o Corinthians. É tirar a sensação de equilíbrio do melhor Campeonato Brasileiro dos últimos anos.
Se o Corinthians é líder, é porque não perde nenhum jogo há 14 rodadas, porque tem a defesa menos vazada — só 15 gols sofridos em 22 jogos –, pela força do elenco e pela compactação da equipe.
Mas esses juízes sem juízo…
Sandro Meira Ricci tem tido atuações trágicas desde que voltou da Copa do Mundo. No primeiro semestre, prejudicou o Corinthians com a expulsão de Émerson. Neste Brasileirão, foi muito mal no Fla-Flu e marcou o pênalti inexistente a favor do Atlético, contra o Palmeiras.
Ops… A favor do Atlético.
Então não há só erros favoráveis ao Corinthians.
Quando não erra, seu assistente a mata. Fábio Pereira anulou o gol legalíssimo de Cícero, com o qual o Fluminense empataria a partida contra o Corinthians, em Itaquera.
E Marcelo de Lima Henrique? A expulsão de Marcos Rocha no Horto, ontem à noite, foi rigorosa, como também foi a de Leonardo Silva em Chapecó, três semanas atrás. Lances assim mudam um jogo. Repetidos, mexem com o campeonato.
Uma lástima!
Não se trata de beneficiar o Corinthians, mas de prejudicar a credibilidade e acabar com a percepção de que o torneio é isento. Sérgio Corrêa prometia três anos atrás que três anos depois o nível da arbitragem seria melhor. Seria hoje o prazo para a renovação dar resultado.
É justo dizer que estava certo com Anderson Daronco ou com Dewson Fernando Freitas. Talvez sejam os árbitros mais antigos o maior problema. Não importa.
É um pecado o Brasileirão em que o jogo flui e a torcida lota estádios ser tão prejudicado pelo apito.
Ah, esses juízes sem juízo.
É o que eu digo, ou não é.

Jorge Eduardo Fontes Garcia


Paulo Vinicius Coelho
É colunista da Folha de S. Paulo, comentarista da Fox e blogueiro do UOL. Jornalista desde os 18 anos, descobriu ao completar 36 que já tinha mais tempo de jornalismo do que de sonho. Ou seja, mais anos no exercício da profissão do que tinha de idade quando publicou sua primeira matéria. Trabalhou na revista Placar, diário Lance!, ESPN Brasil, cobriu as Copas de 1994, 1998, 2006, 2010 e 2014, esteve em sete finais de Champions League.